BA.2: ENTENDA O QUE É A SUBVARIANTE DA ÔMICRON 1,5 VEZ MAIS CONTAGIOSA…

Alta nos casos na Dinamarca e EUA alertam autoridades do país, mas por enquanto nada indica que a nova cepa seja mais grave que as outras. Um subtipo da variante Ômicron, designada como BA.2, vem aparecendo na mídia após uma alta no número de casos na Dinamarca e nos Estados Unidos.

A subvariante é 1,5 vez mais contagiosa que sua cepa original e já foi investigada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, que acredita que a circulação do vírus no país norte-americano é baixa — ao todo, são 194 casos até 23 de janeiro.

A BA.2 vem da linhagem da Ômicron. A cepa extremamente transmissível e responsável por grande parte dos casos mundiais hoje já possui quatro sublinhagens: BA.1 (original), BA.1.1, BA.2 e BA.3.

Nada indica que a BA.2 seria mais resistente às vacinas ou teria sintomas mais graves. “Atualmente, não há evidências de que a linhagem BA.2 seja mais grave do que a linhagem BA.1”, disse a porta-voz do CDC, Kristen Nordlund.

Apesar de ter sido detectada inicialmente na Austrália, África do Sul e Canadá, a BA.2 explodiu na Dinamarca ao longo de algumas semanas. Atualmente, o país conta com 20.132 casos registrados, e o governo dinamarquês afirmou que não há diferença em hospitalizações em comparação com a BA.1.

Somente 1 caso foi registrado no Brasil até então, de acordo com o site Outbreak Info, banco de dados epidemiológico com foco em covid.  A variante BA.2 conta com cinco mutações únicas em uma parte fundamental da proteína spike, responsável por conectar o vírus nas células humanas. Mutações nesta parte são frequentemente associadas a uma maior transmissibilidade.

Além disso, ela não conta com a mutação H69-V70, como é o caso da Ômicron, que facilita a identificação da cepa na hora de fazer o sequenciamento genético.

O diagnóstico não é afetado — ou seja, o paciente não receberá um falso-negativo —, mas centros responsáveis pelo mapeamento do vírus, como o Outbreak Info, tem dificuldade em identificar o BA.2 por conta da ausência da mutação.

Vale ressaltar que mutações e novos tipos de variantes são esperados dentro do contexto de pandemia. O vírus tem como objetivo achar novas formas de se propagar para sobreviver, portanto, a BA.2 não deve ser encarada com medo — a própria OMS não a classificou como uma variante de preocupação, como é o caso da Delta ou da própria Ômicron.

Porém, Maria Van Kerkhove, líder técnica da covid-19 da agência, já alertou que a próxima variante será ainda mais transmissível que a BA.1 original. “A próxima variante de preocupação será mais transmissível, porque terá que ultrapassar o que está circulando atualmente”, disse Van Kerkhove. “A grande questão é se as variantes futuras serão ou não mais ou menos severas.” Fonte: Exame

Compartilhe esse Post!

Sobre Sizinio

Natural de Itapetinga, Evangélico, Casado com Cris Sousa de Sá, Radialista / Locutor Noticiarista / Repórter Policial há 24 anos. Trabalhou na Rádio Fascinação durante 13 anos - como âncora do Programa NA BOCA DO POVO. Teve passagem nas Rádios Cidade FM e Jornal AM, foi Agente Público (Administrativo) da DT de Itapetinga (Delegacia Territorial) até 2016... Líder Comunitário, Presidente do Conselho Comunitário de Segurança Pública, presidiu a Federação dos Conselhos Comunitários de Segurança Pública do estado da Bahia no Território Médio Sudoeste, presidiu por três anos a Coordenação Municipal de Defesa Civil de Itapetinga (COMDEC), foi membro do Conselho Penal da Comarca de Itapetinga, presidiu a Associação de Moradores da Nova Itapetinga (AMONI), foi por dois anos, Assessor de Comunicação da SIBI (Segunda Igreja Batista de Itapetinga - período 2017/2019) e é um dos Editores do Itapetinga na Mídia... Contato: Whatsapp (77) 98805-6791 E-mail: reportersizinio@gmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.