EM LIMINAR, LEWANDOWISKI DETERMINA QUE VACINAÇÃO DE ADOLESCENTE FICA A CARGO DE GESTORES LOCAIS…

Vacinação no Brasil começou no primeiro semestre de 2021 com atraso em relação a diferentes outros países – Tânia Rêgo/Agência Brasil

Decisão vem após cinco partidos de oposição questionarem ordem da Saúde de não recomendar mais a imunização do grupo. O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu, nesta terça-feira (21), que estados e municípios podem avaliar por conta própria a continuidade da vacinação de adolescentes com mais de 12 anos, desde que observadas as orientações dos fabricantes, das autoridades médicas e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Na última quinta (16), o Ministério da Saúde (MS) passou a não recomendar mais a imunização de adolescentes com idade entre 12 e 17 anos sem comorbidades. O posicionamento da pasta contraria o que foi chancelado pela Anvisa, órgão técnico vinculado à administração federal, que desde junho liberou a vacina da Pfizer para o segmento.

::Artigo | Crianças e adolescentes não vacinados podem se tornar o nicho de novas variantes::

A decisão do ministério gerou uma série de reações, tanto de especialistas quanto de grupos políticos. A decisão de Lewandowski é uma resposta a uma ação ajuizada pelos partidos de oposição PT, PSB, PSOL, PCdoB e Cidadania, que questionaram a medida.

Na liminar, o magistrado pontuou que a decisão do MS não está fundamentada em evidências científicas, acadêmicas e técnicas chanceladas por organizações de reconhecimento na área.

O ministro também mencionou posicionamentos manifestados por entidades de renome que pediram a reconsideração da medida, como a Sociedade Brasileira de Infectologia, a Sociedade Brasileira de Imunizações e o Conselho Nacional de Saúde.

“A Constituição de 1988 atribuiu prioridade absoluta ao direito à saúde, à vida e à educação das crianças, adolescentes e dos jovens, nos termos do artigo 227, de maneira que tal postulado precisa ser, necessariamente, levado em consideração na política pública de imunização contra a covid-19”, acrescentou o ministro, ao mencionar a volta às aulas presenciais.

Lewandowski disse ainda que estados, municípios e Distrito Federal têm competência concorrente com a União nas questões que se referem à contenção da pandemia, conforme já havia sido decidido pela Corte no ano passado. Por Brasil de Fato 

Compartilhe esse Post!

Sobre Sizinio

Natural de Itapetinga, Evangélico, Casado com Cris Sousa de Sá, Radialista / Locutor Noticiarista / Repórter Policial há 24 anos. Trabalhou na Rádio Fascinação durante 13 anos - como âncora do Programa NA BOCA DO POVO. Teve passagem nas Rádios Cidade FM e Jornal AM, foi Agente Público (Administrativo) da DT de Itapetinga (Delegacia Territorial) até 2016... Líder Comunitário, Presidente do Conselho Comunitário de Segurança Pública, presidiu a Federação dos Conselhos Comunitários de Segurança Pública do estado da Bahia no Território Médio Sudoeste, presidiu por três anos a Coordenação Municipal de Defesa Civil de Itapetinga (COMDEC), foi membro do Conselho Penal da Comarca de Itapetinga, presidiu a Associação de Moradores da Nova Itapetinga (AMONI), foi por dois anos, Assessor de Comunicação da SIBI (Segunda Igreja Batista de Itapetinga - período 2017/2019) e é um dos Editores do Itapetinga na Mídia... Contato: Whatsapp (77) 98805-6791 E-mail: reportersizinio@gmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *